Gabarito abaixo

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Segundo Reinado

Segundo Reinado
01 - (UFF RJ/2010)
Em 1980, Clara Nunes gravou Brasil Mestiço. Um de seus maiores sucessos, “Morena de Angola”, é parte integrante desse disco.

Morena de Angola

Morena de Angola
Que leva o chocalho
Amarrado na canela.
Será que ela mexe o chocalho
Ou o chocalho é que mexe com ela?
Chico Buarque

Sobre a influência angolana na mestiçagem no Brasil, deve-se considerar:

a) a presença angolana no Brasil é residual, sem impacto, e influenciou muito mais na área de ocupação espanhola do que na área de ocupação portuguesa nas Américas.
b) a mestiçagem no Brasil sempre foi identificada como procedente, principalmente, de nossa herança asiática, com presença predominantemente angolana.
c) a independência angolana estabeleceu o fim das relações com esse país, uma vez que o governo brasileiro apoiava a política colonial de Portugal.
d) a região de Angola foi um importante reservatório de escravos para os colonizadores portugueses; parte significativa desses cativos foi enviada compulsoriamente ao Brasil.
e) a mestiçagem constitui-se numa invenção, já que a ideia de raça tem sido reiteradamente criticada pelos biólogos e a influência angolana foi residual.

02 - (FGV/2010)
A escravidão é uma relação social que esteve presente em diversos momentos da história da humanidade. A escravização de prisioneiros de guerra, por exemplo, foi praticada desde a Antiguidade em diversas regiões do mundo, inclusive na África. No entanto, a situação criada com o escravismo e o tráfico negreiro a ele associado entre os séculos XV e XIX não pode ser tratada como o mesmo fenômeno. A esse respeito é correto afirmar que:

a) o tráfico atlântico não provocou mudanças na organização das sociedades africanas, apenas propiciou novas direções para aqueles indivíduos que, de uma maneira ou de outra, seriam escravizados na própria África.
b) o escravismo foi uma prática econômica que teve breve duração e cujos efeitos restringiram-se exclusivamente ao continente africano, em razão das suas especificidades históricas.
c) os europeus comercializavam os escravos que eram aprisionados no litoral, não modificando a dinâmica escravista das diferentes sociedades africanas estabelecidas no interior.
d) o tráfico negreiro, como forma de exploração do trabalho, diferenciou-se da escravidão, pois não considerava o escravo como mercadoria e sim como um elemento na propagação da religião cristã.
e) o tráfico internacional de escravos marcou uma ruptura radical na história da África, pois, ao ser conduzido numa escala até então desconhecida, favoreceu a desagregação de estruturas políticas e a formação de outras a partir do tráfico.

03 - (UDESC SC/2010)
O dia 20 de novembro foi escolhido em 1995 – no contexto das comemorações do tricentenário da morte de Zumbi dos Palmares – como data importante a ser incorporada ao calendário de comemorações. Para o historiador Marco Antonio de Oliveira (2007), porém, este dia não deve servir a ações comemorativas laudatórias com fundo mítico.

Assinale a alternativa correta a partir do ponto de vista do historiador.

a) No dia 20 de novembro comemora-se a morte de Zumbi dos Palmares, herói negro, que resistiu a escravidão. Como todos os heróis da Nação, Zumbi também tem um dia que deve ser lembrado com festa e alegria na perspectiva do historiador Marco Antonio.
b) O dia 20 de novembro é o Dia da Consciência Negra, que marca um tempo de reflexão e de ação na medida em que traduz as lutas dos movimentos negros e a promoção de ações afirmativas de valorização da população afro-descendente brasileira.
c) No dia 20 de novembro comemora-se a abolição da escravatura no Brasil.
d) Zumbi dos Palmares é um mito heróico da resistência negra; o dia 20 de novembro deve servir para lembrar as ações heróicas empreendidas por ele.
e) O Brasil é único Estado a dedicar um feriado nacional a um herói negro, o que demonstra sua benevolência para com as populações afro-descendentes brasileiras, bem como a valorização destas.

04 - (UDESC SC/2010)
Leia o excerto.

“‘O Brasil é o café e o café é o negro’. Essa frase, comum nos círculos dominantes da primeira metade do século XIX, só em parte é verdadeira. O Brasil não era só café, como não fora só açúcar. Além disto, a produção cafeeira iria prosseguir no futuro, sem o concurso do trabalho escravo. Mas não há dúvida de que nesse período boa parte da expansão do tráfico de escravos se deveu às necessidades da lavoura de café.”
(FAUSTO, Boris. História do Brasil. 6 ed. São Paulo: EDUSP, 1998. p. 192.)

Analise as assertivas em relação ao excerto.

I. O café brasileiro se desenvolveu com uso exclusivo da mão de obra do imigrante europeu, nas fazendas em Minas Gerais e São Paulo.
II. O tráfico de escravos sofreu um incremento dada a necessidade de mão de obra para as lavouras de café.
III. A produção de café continuou no Brasil, mesmo com o fim do trabalho escravo. Contudo, faltaram políticas que inserissem o liberto no mercado de trabalho assalariado.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente a afirmativa I é verdadeira.
b) Somente as afirmativas I e II são verdadeiras.
c) Somente a afirmativa III é verdadeira.
d) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras.
e) Todas as afirmativas são verdadeiras.

05 - (UNIFOR CE/2010)
Com a abertura dos portos no Brasil, em 1808, foi permitida a entrada de outros imigrantes europeus livres além dos portugueses, até então os únicos, ao lado dos escravos, que podiam se fixar no Brasil. O fluxo de imigrantes livres, porém, foi muito pequeno, já que, praticamente, não havia empregos que pudessem ser oferecidos a eles. As funções urbanas (comércio, funcionalismo público e serviços em geral) eram exercidas pelos portugueses e seus descendentes, enquanto as atividades econômicas de base agrária ficavam a cargo dos escravos.

Esse quadro começa a se alterar a partir de 1850, com a proibição do tráfico negreiro, através da

a) Lei Áurea.
b) Lei Eusébio de Queirós.
c) Lei de Cotas de Imigração.
d) Lei de Cotas de Emigração.
e) Lei do Ventre Livre.

06 - (UFT TO/2010)
O desembarque dos negros dava-se assim que o navio chegava a um dos portos de destino no Nordeste, Norte ou no Rio de Janeiro, áreas de grande demanda de escravos nos séculos XVI e XVII. Mais tarde, teriam outros destinos – mais ao sul, mais para o interior – porém, de início, ficavam nas zonas litorâneas.
PINSKY, Jaime.A escravidão no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006, pp. 41,42

Considerando-se as informações do texto acima, é INCORRETO afirmar que:

a) o tráfico se desenvolvia por importação direta pelos proprietários de terras ou por meio de alguém que financiava e organizava a importação.
b) o demanda de escravos nas chamadas Minas Gerais não provocou alterações significativas no tráfico, uma vez que apenas deslocou o eixo da presença dessa mão-de-obra e diminuiu a quantidade de navios encarregados do tráfico.
c) a venda de escravos ocorria no próprio porto de desembarque, por meio de negociações diretas ou pela realização de leilões.
d) a presença de intermediários – os chamados tratantes – só se afirmou com o desenvolvimento da atividade aurífera em Minas Gerais.
e) esses comerciantes fariam o papel de ponte, a intermediação entre traficante que chega até o litoral e o futuro proprietário dos escravos.

07 - (UEPB/2010)
“O mulato, em diversas ocasiões, foi no Brasil escravocrata o produto de relações por vezes espontâneas entre o colonizador português e a escrava vinda da África. Às vezes estas relações terminavam por envolver afetividade, companheirismo, privilégios para as negras escravas que fossem mães de mulatos filhos do senhor. Outras vezes despertavam ciúmes doentios e de resultados funestos com vinganças ou hostilidades das esposas brancas.” (José D’Assunção Barros. A construção social da cor. RJ. Vozes. 2009. p. 104)

Assinale a alternativa correta:

a) Mulatos e negros sempre e em todas as situações ocupavam o mesmo espaço na hierarquia social da colônia.
b) A mulher negra raramente sofria a sujeição amorosa ou sexual do branco colonizador.
c) O mulato não podia ser criado na casa do senhor branco nem receber nenhuma instrução.
d) Os mulatos não tinham as suas fraternidades próprias, participavam exclusivamente das irmandades dos negros.
e) O mulato frequentemente expressava o desejo de se afirmar como diferença nova, em separado da diferença negra, vestiam-se de um outro modo, afastavam-se dos marcadores étnicos que poderiam lembrar etnias e nações africanas.

08 - (UEPB/2010)
Em 2008, comemoraram-se os 100 anos de culto da Umbanda no Brasil. Fruto de um encontro multicultural, ela enfrentou preconceitos e perseguições até deixar de ser “coisa de gente ignorante” e passar a compor o quadro das religiões brasileiras. Assinale a única alternativa INCORRETA.

a) No início do Estado Novo (1937) a repressão à Umbanda se intensificou. As Sessões de Tóxicos e Mistificações reprimiam as práticas tidas como charlatanismo e curandeirismo. A Umbanda era enquadrada em 3 artigos do Código Penal da época.
b) A umbanda nasceu do amálgama de manifestações das culturas ameríndias com as influências da catequese jesuítica, das religiões africanas, além da doutrina kardecista.
c) Os umbandistas têm seus cultos no rol das religiões brasileiras, ao contrário dos cultos africanizados que exaltam a tradição nagô. Na Umbanda, os orixás exercem funções tanto de santos católicos como de deuses da mitologia grega.
d) A Umbanda foi criada pelos escravos como uma reação à opressão que lhes era imposta. Ao associarem cada uma de suas entidades a cada um dos santos da Igreja Católica, estavam simulando que consentiam a dominação dos colonizadores brancos.
e) Encontra-se na história da Umbanda componentes que contribuíram para a formação do povo brasileiro, nascido do encontro das culturas ameríndias, européias e africanas. Também na Umbanda se percebem elementos de resistência à dominação de origem colonial.

09 - (UFPB/2010)
Atualmente, na maior parte do mundo ocidental, é assegurado a todo(a) cidadão(ã) o direito de livre escolha dos seus representantes nos poderes Legislativo e Executivo, bem como o direito de candidatar-se a esses cargos, independentemente de sua origem social, política e ideológica. Esse(a) cidadão(ã) pode, igualmente, expressar suas ideias e opiniões, reunir-se, organizar-se em associações, partidos e sindicatos.
Mas nem sempre foi assim. Direitos civis, políticos e sociais resultaram de um longo processo de mobilizações e lutas sociais, inspiradas na Revolução Francesa, concretizando uma cidadania mais ampla. No Brasil, a cidadania foi promovida e ampliada, muitas vezes, através de mudanças constitucionais e leis específicas.

Nesse sentido, três mudanças e/ou leis, consideradas como expressões de reconhecimento e ampliação de direitos, foram:

a) Lei Áurea (1888); voto das mulheres (1934); Ato Institucional n° 5 (1968).
b) Lei de Terras (1850); Lei Áurea (1888); voto dos analfabetos (1988).
c) Lei Áurea (1888); Ato Institucional n° 5 (1968); voto dos analfabetos (1988).
d) Lei Áurea (1888); voto das mulheres (1934); voto dos analfabetos (1988).
e) Lei de Terras (1850); Lei Áurea (1888); Ato Institucional n° 5 (1968).

10 - (UESPI/2010)
A vitória política de Obama foi um acontecimento político marcado por esperanças no mundo internacional. A sua trajetória alimentou projetos de redefinição das relações de poder nos Estados Unidos. Nos seus primeiros meses de governo, Obama:

a) manteve sua popularidade, sem sofrer oposições dos conservadores.
b) procurou melhorar as relações com Cuba, provocando polêmicas.
c) fez uma grande reforma no sistema econômico norte-americano.
d) estabeleceu uma política de paz, deixando de participar de guerras e conflitos externos.
e) reatou relações diplomáticas com vários países, graças ao apoio do Congresso.

11 - (UFSC/2010)
Os africanos foram trazidos do chamado continente negro para o Brasil em um fluxo de intensidade variável. Os cálculos sobre o número de pessoas transportadas como escravos variam muito. Estima-se que, entre 1550 e 1855, entraram pelos portos brasileiros 4 milhões de escravos, na sua grande maioria jovens do sexo masculino.
FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: Ed.
da Universidade de São Paulo,1995. p. 51.

Sobre a escravidão no Brasil, é CORRETO afirmar que:

01. o Quilombo dos Palmares, organizado no interior do atual Estado de Alagoas, é considerado o mais importante do período colonial e foi liderado por Zumbi.
02. o dia da consciência negra celebra a assinatura da Lei Áurea no século XIX, que proclamou a liberdade dos escravos.
04. aos escravos só restava a rebeldia como forma de reação, a qual se manifestava através do assassinato de feitores, das fugas e até do suicídio. Não havia qualquer forma de negociação com vistas a melhores condições de vida por parte dos negros.
08. eram chamados quilombos os espaços determinados para alojar os escravos destinados ao comércio e foram fundamentais na estrutura produtiva dos engenhos de açúcar.
16. no continente africano os vários povos estavam divididos em etnias organizadas em tribos, clãs e reinos. Apesar desta divisão, a unidade desses povos foi uma forma de resistirem à escravidão e não serem transformados em mercadoria.
32. a Constituição de 1988 afirma que “cabe aos remanescentes das comunidades de quilombos que estejam ocupando suas terras o reconhecimento da propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os títulos definitivos”. Este artigo da Constituição solucionou a “questão quilombola” no Brasil.
64. através das obras do pintor e desenhista alemão Johan Moritz Rugendas, é possível conhecer aspectos do cotidiano da escravidão. Ele aqui esteve no século XIX e deixou preciosa fonte iconográfica sobre a vida no Brasil.

12 - (ESPM/2009)
O fato de o trabalho escravo ter se tornado incompatível com a produção cafeeira implicou a necessidade de se buscar uma forma mais dinâmica de trabalho. Neste sentido, alguns cafeicultores iniciaram o processo de substituição da mão-de-obra escrava pela mão-de-obra livre (trabalho assalariado), e o governo brasileiro, através do seu ministro da Justiça, resolveu extinguir o tráfico em 1850.
(Francisco de Assis Silva e Pedro Ivo. História do Brasil)

O texto trata sobre a decretação da:

a) Lei Rio Branco;
b) Lei Saraiva – Cotegipe;
c) Lei Áurea;
d) Lei Eusébio de Queirós;
e) Lei Silva Ferraz.

13 - (UDESC SC/2009)
Em 1888, com o abolição da escravidão, o Brasil deixava de ser o único país independente do continente americano, onde ainda vigorava o regime escravista.

Sobre o contexto histórico do fim da escravidão e suas consequências sociais, cuja questão racial é o centro, é incorreto afirmar:

a) A adoção de políticas governamentais que buscaram o branqueamento da população brasileira, no final do século XIX, incentivando a imigração européia, por exemplo, também contribuiu para o aumento da exclusão social e pobreza dos negros, resultando assim na desigualdade social.
b) Mecanismos legais - como a Lei de Terras, de 1850; a Lei Áurea, de 1888; e mesmo o processo de estímulo à imigração - criaram um cenário no qual a mão-de-obra negra, tornou-se uma condição de força de trabalho excedente; que era usada, em sua maioria, nos pequenos serviços ou na agricultura de subsistência.
c) Embora a escravidão faça parte da História do Brasil, a democracia racial se coloca como um paradigma inquestionável nestes últimos 120 anos, haja vista a conquista de políticas governamentais efetivas, em que se destaca, por exemplo, a política de cotas.
d) Embora a abolição da escravidão coincida com o nascimento da República e com a disseminação de ideias de igualdade e cidadania, esse evento não significou o início da desconstrução dos valores associados ao preconceito e à discriminação racial.
e) No panorama das desigualdades do Brasil, a desigualdade racial ainda é bastante considerável. Segundo dados do PNAD, por exemplo, a população negra vive com menos da metade da renda domiciliar disponível em relação à renda domiciliar da população branca.

14 - (PUC RS/2009)
As transformações econômicas ocorridas no séc. XIX, no Brasil, colocaram fim na escravidão, já abolida nas colônias e ex-colônias europeias. A transição para o trabalho livre ocorreu de forma lenta, sendo implementada, no período entre 1847 e 1850, por meio de atos do Império, conhecidos como

a) Lei Alves Branco e Lei do Ventre Livre.
b) Lei do Sexagenário e Contrato de Parceria.
c) Lei Saraiva-Cotegipe e Lei Áurea.
d) Lei Eusébio de Queirós e Lei de Terras.
e) Lei dos Caifazes e Decreto Bill Aberdeen.

TEXTO: 1 - Comum à questão: 15


Texto I

A vida é uso e não produção; eis por que o escravo só serve para facilitar o uso. [...] Também o senhor é simplesmente dono do escravo, mas dele não é parte essencial; o escravo, ao contrário, não só é servo do senhor, como ainda lhe pertence de um modo absoluto. Fica demonstrado claramente o que o escravo é em si, e o que pode ser. Aquele que não se pertence, mas pertence a outro, e, no entanto, é um homem, esse é escravo por natureza. Ora, se um homem pertence a outro, é uma coisa possuída, mesmo sendo homem. E uma coisa possuída é um instrumento de uso, separado do corpo ao qual pertence. [...] Vê-se, pois, que a discussão que vimos sustentar tem algum fundamento; que há escravos e homens livres pela própria obra da natureza; que essa distinção subsiste em alguns seres, sempre que igualmente pareça útil e justo para alguém ser escravo, para outrem mandar; pois é preciso que aquele obedeça e este ordene, segundo o seu direito natural, isto é, com autoridade absoluta. [...] É por isso que existe um interesse comum e uma amizade recíproca entre o amo e o escravo, quando é a própria natureza que os julga dignos um do outro; dá-se o contrário quando não é assim, mas apenas em virtude da lei, e por efeito de violência.
(ARISTÓTELES, 2006, p. 15-18-19)

Texto II
Bula Romanus Pontifex 2º Guinéus e negros tomados pela força, outros legitimamente adquiridos por contrato de compra, foram trazidos ao Reino, onde em grande número se converteram à fé católica, o que esperamos progrida até a conversão do povo ou ao menos de muitos mais. 4º Por isso nós, tudo pensando com devida ponderação, por outras cartas nossas concedemos ao dito rei Afonso a plena e livre faculdade, dentre outras, de invadir, conquistar e subjugar quaisquer sarracenos e pagãos, inimigos de Cristo, suas terras e bens, a todos reduzir à servidão e tudo aplicar em utilidade própria e dos seus descendentes.
PAPA NICOLAU V, 8 jan. 1454. (BRABO, 2008).

15 - (UESC BA/2009)
A humanidade, apesar de manter algumas características em comum, deu origem a algumas formas e interesses peculiares.

Em relação à escravidão, pode-se afirmar:

01. O fato de a base das sociedades africanas pré-coloniais ser a mão de obra escrava contribuiu, de forma preponderante, para a utilização dos negros como escravos na América.
02. A sociedade colonial brasileira, apesar de estar assentada na utilização da mão de obra africana, impediu a escravidão da população indígena e qualquer outro tipo de exploração dessa mão de obra.
03. O interesse das potências imperialistas em colonizar a África e explorar sua mão de obra no próprio continente africano contribuiu para a pressão inglesa no sentido de extinguir o tráfico de africanos escravizados para outros continentes.
04. A manutenção da escravidão, após a independência do Brasil, contribuiu para a dificuldade do reconhecimento da emancipação do país pelas potências européias, acelerando a crise do Primeiro Reinado.
05. A utilização dos escravos, em larga escala, nas manufaturas inglesas, possibilitou um grande acúmulo de capital e a eclosão da revolução industrial inglesa.

TEXTO: 2 - Comum à questão: 16


Como se sabe, a escravidão foi a primeira forma generalizada de relação de trabalho no campo brasileiro, e junto com ela também se desenvolveu o trabalho familiar camponês. Com o advento da expansão cafeeira, houve a passagem do trabalho escravo para o colonato e houve também, com a colonização oficial, a ocupação de parte das terras do Sul do país por trabalhadores camponeses. O avanço da industrialização e o crescimento urbano, por sua vez, criaram possibilidades históricas para o estabelecimento do trabalho assalariado (capitalista, portanto) no campo.
16 - (UFES/2009)
Sobre as medidas de caráter econômico e jurídico adotadas a partir da introdução do trabalho livre na cafeicultura brasileira, julgue como verdadeira (V) ou falsa (F) cada uma das seguintes afirmações:

I. Houve incentivo a um novo surto imigratório, sobretudo para o oeste paulista.
II. Houve transformação da terra em meio de produção, resultante do trabalho humano.
III. Foi promulgada a lei que introduzia a compra da terra como forma de acesso a ela.

A seqüência CORRETA de respostas, de cima para baixo, é:

a) V F V
b) V V V
c) F V V
d) F F V
e) V F F

GABARITO:

1) Gab: D

2) Gab: E

3) Gab: B

4) Gab: D

5) Gab: B

6) Gab: B

7) Gab: E

8) Gab: D

9) Gab: D

10) Gab: B

11) Gab: 65

12) Gab: D

13) Gab: C

14) Gab: D

15) Gab: 03

16) Gab: A

2 comentários: