Gabarito abaixo

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Primeiro Reinado

Primeiro Reinado

01 - (UFRN/2010)
O fragmento textual abaixo remete a uma conjuntura da história brasileira no século XIX.

“Quando se sabe que muitas das antigas queixas das províncias se voltavam contra a centralização monárquica, pode parecer estranho o surgimento de tantas revoltas nesse período. Afinal de contas, [se] procurava dar alguma autonomia às Assembléias Provinciais e organizar a distribuição de rendas entre o governo central e as províncias. Ocorre porém que, agindo nesse sentido, [...] acabaram incentivando as disputas entre elites regionais pelo controle das províncias cuja importância crescia. Além disso, o governo perdera a aura de legitimidade que bem ou mal tivera enquanto um imperador esteve no trono”.
FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo: EDUSP, Imprensa Oficial do Estado, 2002. p. 89.

Nesse fragmento, o historiador Boris Fausto refere-se às

a) rebeliões regenciais, que se opunham à pretensão de D. Pedro I de unir as coroas portuguesa e brasileira, o que implicaria a recolonização do Brasil por Portugal.
b) revoltas militares decorrentes do fortalecimento do Exército após a Guerra do Paraguai, um dos principais fatores para que se abreviasse o regime monárquico brasileiro.
c) rebeliões de independência que eclodiram em Minas Gerais e na Bahia após a chegada da Família Real, em 1808, e que ameaçaram seriamente a unidade política nacional.
d) revoltas provinciais, após a renúncia do Imperador D. Pedro I, em 1831, que significaram uma ameaça à centralização do poder e à unidade política do Império.

02 - (ESPM/2010)
Os organogramas políticos apresentados devem ser relacionados respectivamente com:


a) Constituição outorgada de 1824 – Constituição de 1891;
b) Constituição de 1891 – Constituição outorgada de 1824;
c) Constituição de 1934 – Constituição outorgada de 1824;
d) Constituição outorgada de 1824 – Constituição de 1934;
e) Constituição de 1891 – Constituição de 1934.

03 - (UFTM MG/2010)
Em 1823, durante o I Reinado brasileiro, a Assembleia Constituinte foi dissolvida. Esse ato pode ser explicado, entre outras razões,

a) pela insistência da aristocracia rural do centro-sul em defender a igualdade política entre brasileiros e portugueses, o que descontentava os deputados constituintes de posição liberal radical.
b) pela oposição dos constituintes representantes das elites agrárias do centro-sul ao projeto do imperador de estabelecer a igualdade política por meio do voto universal masculino.
c) pela decisiva interferência da diplomacia britânica no Brasil, que não aceitou o modelo de monarquia constitucional federalista e o reforço à escravidão, propostos pela maioria dos constituintes.
d) pelo descontentamento do imperador com o anteprojeto constitucional – denominado Constituição da Mandioca – no qual o poder ficaria centrado no Legislativo e não nas mãos do imperador.
e) pela tentativa das elites das províncias do norte-nordeste de impor um modelo de organização política do Império a partir da fragmentação do poder central e da adoção de um federalismo.

04 - (UFCG PB/2010)
O Império do Brasil representou um momento único na história brasileira. Sobre a dinâmica e a identidade política nesse contexto, é correto afirmar que:

I. as câmaras e os juizados municipais, durante o Primeiro Reinado e as Regências, defenderam os interesses centralizadores das elites do Rio de Janeiro, o que se articulava aos projetos do Estado Imperial.
II. o combate à autonomia municipal era recorrente, gerando conflitos em muitas circunstâncias (as revoltas regenciais, por exemplo), as quais a Monarquia reprimia duramente.
III. o voto era um direito de poucos, uma prática política relacionada ao sexo masculino, à idade e às condições financeiras.
IV. A escravidão tanto era parte constitutiva da cena política quanto uma indicação de seus limites, visto que, para mantê-la, o Estado mobilizava grande esforço na legitimação pública de uma propriedade particular.

Estão corretas:

a) I, II e III.
b) II, III e IV.
c) I, II e IV.
d) I, III e IV.
e) III e IV.

05 - (UEPG PR/2010)
Sobre o I Império (1822 – 1831) e a formação do Estado no Brasil, assinale o que for correto.

01. Esse período, além de marcar a organização do Estado, caracterizou-se pela disputa pelo controle político nacional entre o Imperador e a aristocracia rural brasileira.
02. Em 1824, em Pernambuco, eclodiu a Confederação do Equador, um movimento de protesto contra o autoritarismo de D. Pedro I e que pretendia separar as províncias do norte e do nordeste do restante do país.
04. A Constituição de 1824 estabeleceu o voto censitário que exigia que o eleitor e/ou candidatos tivessem uma renda mínima permanente, o que excluiu a maior parte da população brasileira do cenário político ao longo de todo o Império.
08. Na prática, o Poder Moderador, instituído pela Constituição de 1824, dava grandes poderes ao Imperador.
16. A presença de um considerável grupo de portugueses ocupando cargos importantes no Estado brasileiro produziu um grande desgaste entre D. Pedro I e a aristocracia rural brasileira.

06 - (UEPB/2010)
A emancipação política brasileira é um processo que se iniciou bem antes de 1822 e foi além. Com a chegada da família real em 1808, surgem as primeiras insatisfações e, uma vez conquistada a independência, iniciou-se longa luta pela sua consolidação. Assinale a única alternativa CORRETA.

a) Uma das causas da independência é a recusa lusitana em aceitar que os parlamentares brasileiros, nas Cortes Lusas, defendessem seus interesses, além de querer reduzir o Brasil a sua antiga condição de colônia. A determinação das Cortes, em fins de 1821, para que Pedro I retornasse a Portugal só acelerou o processo.
b) O Dia do Fico (9 de janeiro de 1822) não é causa da ruptura entre brasileiros e portugueses. Ao insistir em ficar, Pedro I assumia a defesa dos interesses de Portugal no Brasil.
c) O ato da independência era desnecessário. Em maio de 1822 o rei de Portugal anuiu a ordem de Pedro I de não aceitar os decretos vindos da Corte de Lisboa e não fez menções contra a convocação da Assembléia Constituinte no Brasil.
d) Como os movimentos pró-independência eram constitucionalistas, Pedro I encerrou agitações sociais ao convocar a Assembléia Constituinte dias após o ato da independência, dando plenos poderes para um Conselho de Estado redigir o projeto constitucional.
e) A Confederação do Equador, de 1824, não se relaciona com as insatisfações frente ao autoritarismo do imperador Pedro I. Os revoltosos queriam criar, no Brasil, uma república federativa tal qual a dos Estados Unidos da América.

07 - (UNIR RO/2010)
O texto abaixo foi extraído da Constituição do Império outorgada em 1824.

Art. 91 Têm votos nestas eleições primárias:
1º Os cidadãos brasileiros que estão no gozo de seus direitos políticos;
2º Os estrangeiros naturalizados;
Art. 92 São excluídos de votar nas assembleias paroquiais:
[...]
5º Os que não tiverem renda líquida anual de 100$rs por bens de raiz, indústria, comércio ou empregos.

Com base no texto, analise as afirmativas.

I. O Império nasceu como uma democracia plena na qual os direitos políticos de todos foram assegurados.
II. O Império nasceu como um estado desigual no qual apenas as pessoas com posses e status social podiam votar e ser votadas.
III. A maioria da população do Brasil durante o Império podia votar e ser votada.
IV. A maioria da população no Brasil Império ficou excluída do direito a voto.

Estão corretas as afirmativas

a) I e III, apenas.
b) II e III, apenas.
c) I e IV, apenas.
d) I e II, apenas.
e) II e IV, apenas.

08 - (UESPI/2010)
A Constituição de 1824, resultante da dissolução da Assembleia Constituinte de 1823, marcou o início da institucionalização do poder monárquico no Brasil.

Essa Constituição:

a) criou o Poder Moderador de exclusividade do Imperador, o que na prática significava conceder-lhe poderes quase absolutos.
b) provocou a insatisfação em diversas províncias, estando na base da eclosão de diversas rebeliões, como a Confederação do Equador, a Sabinada e o Contestado.
c) favoreceu o reconhecimento do Brasil como nação independente, o que ocorreu sem reveses, à exceção dos Estados Unidos por conta da doutrina Monroe.
d) estabeleceu a eleição pelo voto censitário para os governadores das províncias.
e) determinou que representantes para o Senado e a Câmara seriam eleitos pelo voto direto e secreto.

09 - (UFG GO/2009)
Como é para o bem de todos e a felicidade geral da nação, estou pronto: diga ao povo que fico.
D. PEDRO I, 1822.

Havendo Eu convocado, como tinha direito de convocar, a Assembléia Geral Constituinte e Legislativa, por decreto de 03 de junho do ano próximo passado, a fim de salvar o Brasil dos perigos que lhe estavam iminentes, e havendo a dita Assembléia perjurado ao tão solene juramento que prestou à Nação de defender a integridade do império, sua independência e a minha dinastia: Hei por bem, dissolver a mesma Assembléia [...].
D. PEDRO I . Apud LINHARES, M. Yedda.
(Org.). História geral do Brasil. Rio de
Janeiro: Elsevier, 1990. p. 137.

As duas citações são de autoria de D. Pedro I, produzidas, respectivamente, em 1822 e 1823. Os grupos chamados de “brasileiros” ou “liberais” e de “portugueses” ou “conservadores” tiveram expectativas diferenciadas em relação às ações políticas do monarca. Sobre essas duas ações, responda:

a) quais eram as expectativas de “brasileiros” ou “liberais”?
b) quais eram as expectativas de “portugueses” ou “conservadores”?

10 - (UDESC SC/2009)
O período monárquico no Brasil costuma ser dividido em três momentos distintos: Primeiro Reinado (1822-1831); Regências (1831-1840) e Segundo Reinado (1840-1889).
Sobre as principais questões que marcaram esses momentos, assinale a alternativa incorreta.

a) A Guerra do Paraguai marcou o Primeiro Reinado e foi a grande responsável pelo enfraquecimento do poder de D. Pedro I, resultando na Independência do Brasil.
b) A primeira etapa da monarquia brasileira teve dificuldades para se consolidar, o Primeiro Reinado foi curto e marcado por tumultos e conflitos entre D. Pedro I que era português com os brasileiros.
c) A primeira Constituição Brasileira foi outorgada em 1824, por D. Pedro I.
d) A segunda etapa da história do Brasil monárquico inicia-se em 1831, com a renúncia de D. Pedro I em favor do filho Pedro de Alcântara, com apenas cinco anos de idade.
e) O terceiro momento da monarquia no Brasil inicia-se com o reinado de Dom Pedro II, período marcado pela centralização do poder de um lado e pelas disputas políticopartidárias entre liberais e conservadores, de outro.

11 - (FGV/2009)
Observe o quadro.

(Flavio de Campos e Miriam Dolhnikoff, Atlas História do Brasil)

O quadro apresenta

a) as transformações institucionais originárias da reforma constitucional de 1834, chamada de Ato Adicional.
b) a mais importante reforma constitucional do Brasil monárquico, com a instituição da eleição direta a partir de 1850.
c) a reorganização do poder político, determinada pela efetivação do Brasil como Reino Unido a Portugal e Algarves, em 1815.
d) a organização de um parlamentarismo às avessas, em que as principais decisões derivavam do poder legislativo.
e) a organização do Estado brasileiro, segundo as determinações da Constituição outorgada de 1824.

12 - (UNIFOR CE/2009)
A Constituição de 1824 estabeleceu os direitos políticos dos cidadãos que poderiam participar das eleições no Brasil. Dentre as situações propostas, identifique a que indica a pessoa que poderia votar de acordo com os preceitos constitucionais.

a) Um homem liberto, maior de 21 anos, de nacionalidade brasileira, exercendo a profissão de professor, poderia apenas votar nas eleições de deputados e senadores.
b) Um brasileiro nato ou naturalizado, maior de 25 anos, com renda líquida anual superior a duzentos mil réis, tinha o direito de votar nas eleições de deputados e senadores.
c) Uma mulher livre, maior de 30 anos, de nacionalidade brasileira, com renda líquida de 50 mil réis, tinha o direito político de votar pelo menos nas Assembléias Paroquiais.
d) Um membro do alto clero, maior de 25 anos, de nacionalidade portuguesa, mantido economicamente pela cúpula da Igreja, podia votar apenas nas eleições de senador.
e) Um proprietário de terras, maior de 21 anos, estrangeiro naturalizado, com renda inferior a 200 mil réis, tinha o direito de votar e ser eleito nas eleições de senador.

13 - (UFV MG/2009)
A Constituição outorgada por D. Pedro I em 1824 continha uma inovação institucional que seria decisiva para o funcionamento do sistema político imperial: o Poder Moderador. Seguindo as recomendações do jurista francês Benjamim Constant, a Constituição do Império introduzia um quarto poder, para além da clássica divisão entre executivo, legislativo e judiciário. A principal conseqüência da introdução do Poder Moderador na ordem política imperial foi:

a) permitir que o Imperador servisse de árbitro aos conflitos entre liberais e conservadores, promovendo o revezamento das elites no poder.
b) promover o desenvolvimento econômico, ao dar ao Imperador a iniciativa em diversas áreas de política econômica, como a promoção das ferrovias e da siderurgia.
c) garantir a continuidade da escravidão até o final do Império, ao dar ao Imperador poder de veto a todas as iniciativas legislativas com relação ao regime servil.
d) concentrar enormes poderes repressivos na Coroa, criando um regime semelhante aos regimes absolutos da Europa da era moderna.

14 - (UCS RS/2009)
O poder absolutista no Brasil foi caracterizado pelos governos monárquicos de Dom João VI, Dom Pedro I e Dom Pedro II. Associe os governantes brasileiros, listados na Coluna A, aos eventos históricos que os identificam, elencados na Coluna B.

COLUNA A

1 Dom João VI
2 Dom Pedro I
3 Dom Pedro II

COLUNA B

( ) Promoveu o fim do pacto colonial, a criação da academia militar e a permissão para a produção de manufaturas.
( ) Participou da Confederação do Equador, chefiada por Frei Caneca e Paes de Andrade, e da Guerra da Cisplatina, que deu origem à República do Uruguai.
( ) Redigiu uma proclamação ao povo, pedindo aos brasileiros que se unissem e aos que fossem contrários ao governo, que se retirassem do Brasil.
( ) Foi o dirigente que mais tempo permaneceu no comando do Brasil; incentivou a imigração estrangeira, promoveu o progresso cultural e industrial.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

a) 1 – 2 – 2 – 3
b) 2 – 3 – 1 – 1
c) 3 – 2 – 1 – 3
d) 3 – 1 – 2 – 2
e) 2 – 1 – 3 – 1

15 - (CEFET PR/2009)
O “Primeiro Reinado” do Brasil é o nome dado ao período em que D. Pedro I governou o Brasil como Imperador, e compreende o período entre 7 de setembro de 1822, data em que D. Pedro I proclamou a independência do Brasil, e 7 de abril de 1831, quando abdicou do trono brasileiro. Sobre esse assunto, estabeleça correspondência entre a primeira e a segunda coluna.

1ª coluna
1) Confederação do Equador.
2) Guerra da Cisplatina.
3) Noite da Agonia.
4) Noite das Garrafadas.
5) Dia do Fico.

2ª coluna
( ) As forças políticas das províncias do Nordeste, lideradas por Pernambuco, rebelaram-se contra o soberano e pregavam uma república livre da coroa, com capital em Recife.
( ) O então príncipe regente D. Pedro de Alcântara foi contra as ordens das Cortes Portuguesas que exigiam sua volta, em 9 de Janeiro de 1822.
( ) Resultou na perda da província, que se tornou independente como República Oriental do Uruguai, em 1828.
( ) Em março de 1831, D. Pedro I chegou ao Rio de Janeiro após uma viagem, encontrando oposição aberta nas ruas da cidade e o conflito culminou na noite do dia 13, quando os portugueses organizavam uma grande festa para recepcionar o governante, mas os revoltosos impediram sua realização.
( ) Ao perceber limitações no seu poder, D. Pedro I dissolveu a Assembléia Constituinte em novembro de 1823, após o envio de tropas, e mandou prender alguns deputados.

A sequência correta é:

a) 2, 3, 5, 4 e 1 .
b) 1, 2, 5, 4 e 3 .
c) 1, 5, 2, 4 e 3.
d) 1, 5, 2, 3 e 4 .
e) 4, 5, 2, 3 e 1.

16 - (UDESC SC/2009)
Assinale a alternativa incorreta, sobre a Constituição de 1824 e o seu contexto histórico.

a) Foi a primeira Constituição do Brasil à época Império do Brasil e garantiu o poder absoluto ao Imperador Dom Pedro I.
b) Foi a primeira Constituição brasileira e ficou conhecida como a Constituição Cidadã por garantir direitos individuais e coletivos.
c) Foi elaborada no Rio de Janeiro, num clima político de conflito ideológico e de disputa de poder entre as diferentes facções então existentes.
d) Declarou o catolicismo religião oficial do Brasil; o Estado somente se tornaria laico com a Constituição de 1891.
e) Determinava a existência de quatro poderes: executivo, legislativo, judiciário e moderador.

17 - (UNIFOR CE/2009)
Analise o texto.

Brasileiros! -Um acontecimento extraordinário veio surpreender todos os cálculos de humana prudência; uma revolução gloriosa foi operada pelos esforços e patriótica união do povo e tropa do Rio de Janeiro sem que fosse derramada uma só gota de sangue (...) Do dia 7 de abril de 1831 começou a nossa existência nacional, o Brasil será dos brasileiros e livre (...)
(Proclamação aos Brasileiros. Coleção das Leis do Brasil, 1831. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1889. In Cecília Oliveira Salles. 7 de setembro de 1822. São Paulo: Nacional, 2005. p. 33)

O acontecimento a que o texto se refere, interpretado por políticos e militares contrários ao Imperador como o dia da verdadeira Independência do Brasil, foi a:

a) Abolição da escravatura.
b) Abdicação de D. Pedro I.
c) Deposição de D. Pedro II.
d) Proclamação da República.
e) Revolução Pernambucana.

18 - (UFPE/2009)
O governo de D. Pedro I foi polêmico e cheio de controvérsias. Os políticos mais liberais tinham críticas a sua forma centralizadora de administrar. A sua abdicação levou o Brasil:

a) ao fim do autoritarismo centralizador do Império, enfraquecendo a escravidão e promovendo a liberdade para os escravos mais velhos.
b) a uma distribuição mais justa das conquistas sociais, sobretudo nas regiões da cana-deaçúcar.
c) ao crescimento imediato dos ideais republicanos e democráticos e fortaleceu a divulgação de princípios românticos.
d) a mudanças radicais na Constituição de 1824, votadas pela população, das quais resultaram grandes manifestações no Rio e em Recife.
e) a expectativas políticas que criaram instabilidade e confrontos violentos, com disputas pelo poder em várias regiões.

19 - (UESPI/2009)
Sobre a Confederação do Equador, analise as afirmações seguintes.

1. Foi um movimento de repúdio à política autoritária de D. Pedro I. Esse movimento, iniciado em Pernambuco, agregou algumas províncias nordestinas, em torno da idéia da construção de uma república confederada.
2. O movimento foi fortemente reprimido pelas forças imperiais, e chegou a enviar o Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, pai do duque de Caxias, ao Piauí.
3. O projeto revolucionário de formação de uma república confederada recebeu apoio imediato das províncias do Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Alagoas e Piauí.
4. A idéia de libertação dos escravos, propagada por alguns líderes, a exemplo de Frei Caneca, dividiu o movimento, afastando os grandes proprietários de terras.

Estão corretas apenas:
a) 3 e 4
b) 1 e 2
c) 1 e 3
d) 1 e 4
e) 2 e 3

20 - (FEPECS DF/2009)
Leio o texto a seguir:

“ O sistema criado pela carta de 1824 e calcado sobre a tradição portuguesa assume caráter próximo à oligarquia que o imperador preside. A supremacia da coroa mitiga-se por órgãos de controle saídos das entranhas monárquicas, o Senado e o Conselho de Estado, e por via de um órgão dependente da eleição, a Câmara dos Deputados.”
(Faoro, Raymundo. Os Donos do Poder. Rio
de Janeiro, Ed. Globo, 1989,p. 291)

Ao outorgar a constituição de 1824, D. Pedro I instituiu um modelo absolutista ao Brasil como o texto acima evidencia nas palavras do historiador Raymundo Faoro. O modelo político imposto por D. Pedro I ao Brasil através da Carta outorgada de 1824, permitiu:

a) o equilíbrio entre os poderes constituídos do estado brasileiro;
b) a abolição do modelo escravista brasileiro;
c) a implantação do voto universal masculino restrito aos alfabetizados;
d) a eleição direta dos membros do Senado Imperial que possuíam mandato vitalício;
e) a subordinação do Poder da Igreja ao Poder do Imperador.

21 - (UEPB/2009)
Sobre a Confederação do Equador, é correto afirmar:

a) A proposta de pôr fim ao tráfico negreiro e a adesão das massas populares acabaram afastando do levante a elite agrária.
b) O Jornal Liberdade na Guarita, de Pernambuco, dirigido por Cipriano Barata, combateu as idéias dos revolucionários inibindo a propagação do movimento.
c) Os revolucionários lutavam pela implantação de uma monarquia constitucionalista.
d) Todos os líderes da rebelião foram condenados à prisão perpétua.
e) As províncias que se juntaram a Pernambuco foram Paraíba, Bahia e Alagoas.

22 - (UPE/2009)
Com a Abdicação de D. Pedro I, romperam-se os elos entre Brasil e Portugal. Consolidou-se, assim, o poder dos latifundiários, os quais conseguiram moldar uma monarquia liberal-escravista de acordo com seus interesses e expectativas. Nessa perspectiva, é CORRETO afirmar.

00. A Abdicação foi resultado de um conflito que vinha de antes da Independência, o conflito entre lusitanismo e a classe dominante nacional.
01. Para a classe dominante nacional, o absolutismo de D. Pedro I representava a garantia da manutenção de uma ordem que ajustava os seus principais interesses.
02. Economicamente, o Brasil vivia um longo hiato intercíclico, não havendo nenhum produto de exportação que se salientasse.
03. A Abdicação de D. Pedro I deve ser vista, exclusivamente, pela sua motivação em favorecer sua filha D. Maria da Glória.
04. A monarquia logrou impor o centralismo unitarista acima de federalismo, criando uma unidade nacional.

GABARITO:

1) Gab: D

2) Gab: A

3) Gab: D

4) Gab: B

5) Gab: 31

6) Gab: A

7) Gab: E

8) Gab: A

9) Gab:
a) A respeito do “Fico”, a expectativa dos “brasileiros” ou “liberais” era de que a permanência de D. Pedro significava sua adesão à causa da independência, esgotando as possibilidades de recolonização do Brasil, conforme queriam as Cortes de Lisboa. Com o fechamento da Assembléia Constituinte, a expectativa dos “brasileiros” ou “liberais” foi frustrada, pois esse ato contrariava a ordem política liberal, impedindo uma Constituinte que representasse a soberania da Nação.
b) A respeito do “Fico”, a expectativa dos “portugueses” ou “conservadores” era de que a permanência de D. Pedro no Brasil garantisse um império constitucional, ligado a Portugal. Sobre o fechamento da Assembléia Constituinte, a expectativa dos “portugueses” ou “conservadores” era de que esse ato do imperador afirmasse sua autoridade e mantivesse o vínculo com Portugal.

10) Gab: A

11) Gab: E

12) Gab: B

13) Gab: A

14) Gab: A

15) Gab: C

16) Gab: B

17) Gab: B

18) Gab: E

19) Gab: D

20) Gab: E

21) Gab: A

22) Gab: VFVFV

Nenhum comentário:

Postar um comentário